Africa Asia Middle East Français Português Subscribe IRIN Site Map
PlusNews
Global HIV/AIDS news and analysis
Advanced search
 Sunday 07 October 2007
 
Home 
Africa 
Weekly reports 
In-Depth reports 
Country profiles 
Fact files 
Events 
Jobs 
Really Simple Syndication Feeds 
About PlusNews 
Donors 
Contact PlusNews 
 
PlusNews In-Depth

Moçambique: A Lotaria da Vida e da Saúde


Índice
Protagonistas
Outros sites
  • www.portaldogoverno.gov.mz
  • www.unicef.org
  • www.santegidio.org
  • www.savethechildren.org.uk
  • www.columbia-icap.org
  • www.aids.gov.br
Opinião

Comentários construtivos são bem-vindos. Envie sua mensagem . Por favor, não escreva mais que uma página.
MOÇAMBIQUE: Antiretrovirais aos poucos na rota rural

Photo: L. Bonanno/PlusNews
Isolados mas não abandonados: medicamentos, alimentos e cuidados chegam até Chigondole, na Zambézia
Chingondole - São dez horas da manhã e o termómetro do carro aponta 35 graus em Morrumbala, província da Zambézia. Na comunidade de Chingondole, a 500 metros da fronteira com o Malawi, as crianças correm no chão rachado pelo sol.

A maioria dos adultos está na machamba a plantar milho, que será a garantia de comida durante seis meses. No outro semestre, poderá haver insegurança alimentar. Apoiada no irmão, Maria Zeca Candrino, 29 anos, caminha com dificuldades até sentar-se na esteira para ser vista pela equipa da organização não governamental Save The Children-Reino Unido (SCF-UK).

“Terás que ir ao médico. Se não, vais morrer,” diz a Candrino a enfermeira Luísa Camurina. Há quatro anos, Candrino perdeu o marido e há três meses a filha de quatro anos, ambos da Sida. Desde que descobriu ser seropositiva há oito meses, ela não passou por consulta médica. “O hospital é muito longe,” diz ao PlusNews.

Os hospitais mais próximos de Chingondole estão a 35 quilómetros, na comunidade de Shire, no Malawi, ou a 45 quilómetros, em Morrumbala-Sede. Para ir ao Hospital Distrital de Morrumbala, um morador de Chingondole tem que apanhar uma carrinha, vulgo chapa, e pagar 50 meticais (dois dólares americanos); ter hospedagem, porque é difícil conseguir transporte de ida e volta no mesmo dia.

Henrique Candeeiro, o melhor cuidador do mundo
Henrique Augusto Candeeiro, 37 anos, foi eleito pela Save The Children-Reino Unido (SCF-UK) como o melhor cuidador de 2006 ao nível global. Além dos seus nove filhos, Candeeiro toma conta de seis sobrinhos. Para ele, ser cuidador significa trabalhar para proteger os seus familiares e vizinhos da Sida. “Quero que outros defendam os meus filhos do HIV, depois de eu morrer”, diz Candeeiro, exibindo o troféu com o seu nome gravado.
“E improvável que essas pessoas façam o tratamento da Sida, em que é preciso frequentemente passar por consultas e apanhar antiretrovirais”, diz Camurina.

Segundo ela, 80 por cento dos 22 mil habitantes de Chingondole atravessam a pé ou de bicicleta a fronteira com o Malawi para ir ao hospital, onde as condições de atendimento são melhores que as de Morrumbala-Sede.

Candrino teve sorte. Desta vez, vai no carro da SCF-UK ao hospital, em Morrumbala. “O problema é como regressar. Não tenho dinheiro para apanhar o chapa,” diz.

Resposta comunitária

Ela é uma dos 321 doentes atendidos pelo projecto de cuidados domiciliários do SCF-UK, em curso desde 2003. Candrino pode ser a primeira a ter antiretrovirais em Chingondole e se juntar aos 111 que moram no distrito de Morrumbala e fazem a terapia antiretroviral (ARV).


Photo: L. Bonanno/PlusNews
Henrique Candeeiro, o melhor cuidador do mundo
Mas, segundo a gestora provincial do SCF-UK, Daphne de Souza Lima Sorensen, a ideia é “ter alguém na comunidade e da comunidade,” que possa atender casos como o de Candrino.

“Uma linda ambulância com o logo do SCF-UK poderia transportar os doentes, mas eles se tornariam dependentes,” diz Sorensen. Por isso, 77 activistas de 16 vilas e bairros de Morrumbala foram treinados. Durante 12 dias, tiveram lições de primeiros socorros; higiene; transmissão do HIV; tratamento de doenças básicas; como ensinar aos familiares a cuidar de um doente; e incentivar o tratamento ARV.

Os cuidadores foram escolhidos pelas suas comunidades e, tal como os doentes, recebem, mensalmente, uma cesta básica de alimentos. “Queremos sustentar o suporte da casa. Quando os pais morrem, é como tirar um alicerce. O tecto vem abaixo e cai sobre as crianças,” diz Sorensen.

Solução está próxima

Se Candrino iniciar o tratamento ARV, talvez em poucos meses não precise de percorrer os 45 quilómetros até Morrumbala-Sede para pegar os medicamentos. A cerca de 500 metros de Chingondole, no posto administrativo de Megaza, existe uma unidade de saúde que, segundo o médico chefe de Morrumbala, Dr. Júnior António, distribuirá antiretrovirais, em breve. “Temos apenas um técnico de saúde em Megaza, mas ele será treinado e fará o tratamento antiretroviral,” diz António.

Com aproximadamente 327 mil habitantes, o distrito de Morrumbala tem uma seroprevalência de 14 por cento, ou seja quase 46 mil pessoas vivem com HIV. Enquanto os antiretrovirais não chegam, resta aos doentes de Chingondole e arredores continuar a percorrer dezenas de quilómetros até um hospital ou depositarem toda a confiança nos cuidadores domiciliários que, com remédios básicos, fazem o possível.

lb/rb/ms

[ENDS]
Print report
Back | Home page

Services:  Africa | Asia | Middle East | Radio | Film & TV | Photo | E-mail subscription
Feedback · E-mail Webmaster · IRIN Terms & Conditions · Really Simple Syndication News Feeds · About PlusNews · Bookmark PlusNews · Donors

Copyright © IRIN 2007
This material comes to you via IRIN, the humanitarian news and analysis service of the UN Office for the Coordination of Humanitarian Affairs. The opinions expressed do not necessarily reflect those of the United Nations or its Member States. Republication is subject to terms and conditions as set out in the IRIN copyright page.