Africa Asia Middle East Français Português Subscribe IRIN Site Map
PlusNews
Global HIV/AIDS news and analysis
Advanced search
 Sunday 07 October 2007
 
Home 
Africa 
Weekly reports 
In-Depth reports 
Country profiles 
Fact files 
Events 
Jobs 
Really Simple Syndication Feeds 
About PlusNews 
Donors 
Contact PlusNews 
 
PlusNews In-Depth

Moçambique: A Lotaria da Vida e da Saúde


Índice
Protagonistas
Outros sites
  • www.portaldogoverno.gov.mz
  • www.unicef.org
  • www.santegidio.org
  • www.savethechildren.org.uk
  • www.columbia-icap.org
  • www.aids.gov.br
Opinião

Comentários construtivos são bem-vindos. Envie sua mensagem . Por favor, não escreva mais que uma página.
MOÇAMBIQUE: Amparo contra o preconceito e estigma

Seropositivos: sem lugar no chapa, condenados na igreja, insultados na clínica e marginalizados no mercado..
Crédito: Mercedes Sayagues/PlusNews
Chimoio - Eduardo Loisse foi isolado pela sua própria mãe num canto do quintal da casa. Jacqueline Seda foi abandonada pelo marido e pela mãe. Judite e Mário (*) foram expulsos de casa pelos seus familiares. O motivo da exclusão destes moçambicanos é o mesmo: serem seropositivos.

Mais que a falta de remédios, a fome e a pobreza, o preconceito é o pior sofrimento para um seropositivo, diz ao PlusNews, o secretário executivo adjunto da Rensida, Rede de Associações de Pessoas Vivendo com HIV/Sida, Amós Sibambo.

Loisse, Seda e Judith têm sorte. Eles moram em Chimoio, na província de Manica, Centro de Moçambique. Ali está sediado o grupo Shinguirirai, que numa língua local, o Shona , quer dizer amparo.

Desde 2000, o grupo ajudou mais de quatro mil pessoas seropositivas nas províncias de Manica e Sofala, onde a seroprevalência é de 19.7 e 26.5 por cento, respectivamente.

Com 328 activistas, a maioria seropositivos, o Shinguirirai faz palestras nas instituições públicas. Nos hospitais presta assistência psicológica e ajuda os pacientes para a melhor adesão ao tratamento antiretroviral.

“Antes as pessoas daqui achavam que a Sida não existia, que era feitiço,” diz a coordenadora, Rosa Paulo Margare.

As campanhas do grupo ensinam às comunidades sobre a transmissão do HIV.

Loisse, 28 anos, lembra que os seus irmãos pediam à sua mãe para separar os utensílios que ele usava receando o contágio. Quando Loisse ficou doente, foi isolado num canto do quintal e ninguém lhe assistia.

Mudanças

A situação mudou com as visitas ao domicílio dos activistas do Shinguirirai.

“A minha família e amigos voltaram a acolher-me normalmente, hoje sou activista e consigo cuidar da minha saúde com os antiretrovirais,” afirma.

A mãe de Seda alegou que a sua filha tinha procurado a Sida para castigar a família e forçou-a a sair de casa.

Seda tinha quatro filhos. Perdeu o mais novo, segundo ela, porque os seus familiares não cuidaram dele. Temiam apanhar o vírus ao tocar-lhe.

O marido sumiu. Os três filhos ficaram com a mãe de Seda e ela ficou na rua.

Os activistas do Shinguirirai contactaram-lhe. Seda recebeu apoio psicológico do grupo, iniciou a terapia antiretroviral e hoje está saudável.

Judite, 23 anos, foi expulsa de casa quando a família descobriu que ela tomava antiretrovirais.

“Deram-me cinco quilos de milho e um bidão de 20 litros de água potável e disseram para eu começar uma nova vida,” conta ao PlusNews.

Em crise, parou de tomar antiretrovirais. Graças ao Shinguirirai, ela reiniciou o tratamento, voltou a relacionar-se com a família e hoje é activista.

Insultos e isolamento

Uma pesquisa de 2005 do Shinguirirai descreve várias formas de discriminação contra os seropositivos.

No bairro, insultos de ordem sexual. Na família, abandono e isolamento do doente. No serviço, rejeição e perca de emprego. Na igreja, condenação. Nos centros de saúde, atraso no atendimento e repressão verbal.

No espaço público, recusa de sentar ao lado de um seropositivo nas viaturas, No mercado, os seropositivos não conseguem vender ou comprar e as pessoas afastam-se quando eles chegam ao poço ou fontenária.

“Eu não compraria produtos vendidos por um seropositivo, porque alguns vendem com a intenção de infectar os outros para igualarem,” afirma a dona de casa Teresa Inês, de 32 anos.

O resultado dessa exclusão, ressalta a pesquisa, provoca, entre os seropositivos, traumas psicológicos, sentimento de vingança contra a sociedade e morte prematura.

Cuidadores domiciliários da província de Manica observaram ainda que as famílias mantêm segredo sobre a doença.

Nalguns casos, em vez de serem expulsas da casa, as pessoas seropositivas são escondidas pelos familiares dentro de casa ficando excluídas da assistência domiciliária e dos grupos de apoio.

Várias ocorrências deste tipo foram registadas em Manica pelo sociólogo e antropólogo moçambicano Cristiano Matsinhe.

A interpretação de Matsinhe, no livro Tábula Rasa, é que o segredo sobre a doença está associado aos “maus olhares”, inveja e feitiço. Anunciar casos de doença num lar equivale a admitir que o feitiço está a funcionar e que a família não possui defesa.

Ajuda mútua

Shinguirirai é uma criação da Kubatsirana (ajuda mútua, em Shona), a primeira organização religiosa de Manica, que ousou tratar da Sida, em 1995, sensibilizando pastores e fiéis.

Naquela época, os religiosos evitavam o tema, devido à associação da doença com a imoralidade.

Segundo Agostinho Morais, seu antigo director, Kubatsirana, “foi o amparo de muitos pastores seropositivos, que antes eram expulsos das congregações.”

Em 2000, líderes religiosos solicitaram a criação do Shinguirirai, porque naquela época muitos ainda não tinham a coragem de visitar doentes de Sida nas suas casas, conta Margare.

Sessenta e cinco igrejas cristãs e 150 activistas fazem parte do Kubatsirana.

Com tempo, informação e paciência, como Loisse e Seda bem sabem, as comunidades mudam as atitudes discriminatórias.

(*) Apelido omitido

ac/rb/ms


[ENDS]
Print report
Back | Home page

Services:  Africa | Asia | Middle East | Radio | Film & TV | Photo | E-mail subscription
Feedback · E-mail Webmaster · IRIN Terms & Conditions · Really Simple Syndication News Feeds · About PlusNews · Bookmark PlusNews · Donors

Copyright © IRIN 2007
This material comes to you via IRIN, the humanitarian news and analysis service of the UN Office for the Coordination of Humanitarian Affairs. The opinions expressed do not necessarily reflect those of the United Nations or its Member States. Republication is subject to terms and conditions as set out in the IRIN copyright page.