Africa Asia Middle East Français Português Subscribe IRIN Site Map
PlusNews
Global HIV/AIDS news and analysis
Advanced search
 Sunday 07 October 2007
 
Home 
Africa 
Weekly reports 
In-Depth reports 
Country profiles 
Fact files 
Events 
Jobs 
Really Simple Syndication Feeds 
About PlusNews 
Donors 
Contact PlusNews 
 
PlusNews In-Depth

Moçambique: A Lotaria da Vida e da Saúde


Índice
Protagonistas
Outros sites
  • www.portaldogoverno.gov.mz
  • www.unicef.org
  • www.santegidio.org
  • www.savethechildren.org.uk
  • www.columbia-icap.org
  • www.aids.gov.br
Opinião

Comentários construtivos são bem-vindos. Envie sua mensagem . Por favor, não escreva mais que uma página.
MOÇAMBIQUE: Sida no feminino, uma doença duas medidas

Photo: L. Bonanno/PlusNews
Sida, doença da mulher
Homens e mulheres vivem com o HIV de formas diferentes. Para elas o fardo é bem maior: quando o vírus é nelas detectado, são acusadas de, frequentemente, serem elas que o trouxeram para a família e, como consequência, são abandonadas pelos maridos e familiares.

“Como tivesse feridas por todo o corpo e o cabelo a cair, ele dizia que eu cheirava à carne crua e não suportava dormir ao meu lado,” diz Sónia Costa*, residente em Tete, província no centro noroeste de Moçambique.

Costa, também abandonada pelos filhos mais velhos, conta que “quando o meu marido soube que eu estava com Sida, depois que os nossos dois últimos filhos morreram, tratou logo de procurar outra mulher”.

A experiencia de Sónia Costa não é única. Josélia Mbanza, coordenadora nacional da rede de mulheres seropositivas Kuyakana, conta que “há pessoas que acreditam que todo o mal que acontece às mulheres é castigo merecido... e os homens mentalizaram que as mulheres são causadoras da Sida”.

Assim, a Sida é percebida como sendo “a doença de mulher.” As mulheres são acusadas de passar o vírus para os filhos e para o marido.

“O meu marido começou a ficar doente e a minha sogra disse que fui eu quem o infectou, mas eu só tenho este marido,” conta Costa.

Culpar e discriminar

A culpabilização da mulher está ligada a sua situação inferior na sociedade, explica a socióloga moçambicana Maria Cecília de Mendonça Pedro. E não está apenas associada a Sida.

““Num casal, ela é culpabilizada noutras coisas. Quando as crianças nascem com problemas genéticos, a culpa é da mãe. As doenças de transmissão sexual, também. Quando não há filhos, a culpa é da mulher e o marido tem o direito de devolvê-la aos pais, sem investigar as razões,” explica Mendonça.

Outro factor que sustenta a associação da mulher ao HIV é que o indicador mais usado para medir a epidemia refere-se às taxas de seroprevalência das mulheres grávidas.

A constante referência àquelas reforça a percepção de que a Sida é doença das mulheres, diz um estudo do Programa Conjunto das Nações Unidas para a Sida (Onusida).


Photo: M.Sayagues/PlusNews
Mulheres culpabilizadas de tudo e por tudo.
Além disso, em muitas famílias, o vírus é descoberto quando a mulher engravida e faz o teste do HIV na consulta pré-natal.

Para não serem discriminadas, com medo de perder filhos, marido e terra, muitas mulheres grávidas recusam fazer o teste ou, fazendo-o, não revelam os resultados aos seus maridos.

Daquela forma, perdem a oportunidade de usar os serviços de corte de transmissão vertical, num país em que em cada ano nascem 350 mil bebés infectados.

Impurezas

No livro Tábula Rasa, o antropólogo moçambicano Cristiano Matsinhe descreve como as crenças sustentam a acusação sob as mulheres.

“As mulheres são tidas como as transmissoras do HIV/Sida, na medida em que muitas vezes são vistas como “frequentadoras” de estados de impureza, perigo e doença e tendem a transportar para os homens”, escreve Matsinhe, citando entrevistas feitas em Tete.

Nessa lógica, explica, os homens são tidos como vítimas das mulheres... e o potencial de perigo que a mulher carregaria estaria também associado a uma disposição consciente ou inconsciente, dela em transmitir o mal.

Matsinhe escreve que “o sangue que corre pela vagina seria tido como intrinsecamente impuro, associado à ideia de “nojo”, “sujo” e à ideia de transmissão de diferentes tipos de doenças aos homens, desde hérnias, tuberculose, e doenças sexualmente transmissíveis no geral...”

Essa associação da mulher a estados de impureza e perigo passou a ser extensiva ao HIV/Sida, remata Matsinhe.

Kutchinga

Mbanze contou ao PlusNews as consequências dessas crenças, para duas mulheres que Kuyakana tenta assistir em Maciene, província de Gaza, sul do país.

O marido de uma morreu de uma doença relacionada com a Sida. A esposa disse que o marido sofria de mudjiwa, doença causada pelos espíritos, e aceitou, depois do seu funeral, submeter-se ao kutchinga, ritual que consiste em manter relações sexuais com um dos irmãos do defunto para purificação – com o risco de espalhar o vírus.

A outra está grávida, padece há dois anos de uma infecção de transmissão sexual e tem cartão para receber tratamento antiretroviral mas não usa porque acredita sofrer da “doença do século, doença de mulher”, que é inevitável.

Perante este cenário, a Kuyakana forma líderes comunitários e do governo para sensibilizarem as comunidades, em particular as rurais, a aceitarem o convívio com os seropositivos.

Segundo Mbanze, é também urgente a educação para a protecção na família, pois há casos de familiares que expulsam as mulheres seropositivas.

Janana*, membro do Kuyakana, no início escondia ser seropositiva, mas hoje entende que “a sociedade precisa de ser educada para conviver com este problema.”

“Veja que o medo tinha razão de ser; quando apareci na televisão falando do meu estado de HIV, fui rejeitada pela comunidade onde eu vivia. Os meus filhos foram discriminados”, conta.

“Kuyakana”, que quer dizer reconstrução em tsonga (língua do Sul de Moçambique), foi criada em 2002 por dez mulheres seropositivas e hoje tem 17 grupos de mulheres em oito províncias.

*Nome fictício

ss/am/rb/ms

[ENDS]
Print report
Back | Home page

Services:  Africa | Asia | Middle East | Radio | Film & TV | Photo | E-mail subscription
Feedback · E-mail Webmaster · IRIN Terms & Conditions · Really Simple Syndication News Feeds · About PlusNews · Bookmark PlusNews · Donors

Copyright © IRIN 2007
This material comes to you via IRIN, the humanitarian news and analysis service of the UN Office for the Coordination of Humanitarian Affairs. The opinions expressed do not necessarily reflect those of the United Nations or its Member States. Republication is subject to terms and conditions as set out in the IRIN copyright page.