África English Français Subscrição RSS IRIN Mapa do Sítio
PlusNews
Notícias e análises sobre HIV e Sida
Pesquisa avançada
 sexta-feira 06 Fevereiro 2009 Quer opinar sobre o serviço? Clique aqui
 
Página inicial 
África 
CPLP 
Compacto Semanal 
Reportagem aprofundada 
Eventos 
 
Versão impressa
ÁFRICA: Do tabu à primeira página


Photo: Mercedes Sayagues/PlusNews
JOHANNESBURG, 24 Abril 2008 (PlusNews) - Para ver o Guia de Reportagens sobre HIV e SIDA, clique aqui.

Jornalistas em África lusófona interessados em cobrir a epidemia de HIV e SIDA têm agora mais uma ferramenta para ajudá-los nesta tarefa.

O PlusNews Português, o serviço de notícias das Nações Unidas especializado em HIV e SIDA na África de expressão portuguesa, acaba de lançar um guia de reportagens sobre o tema.

Publicado com o apoio da Agência Sueca de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional (SIDA), o Guia para reportagens sobre HIV e SIDA é uma resposta à necessidade dos jornalistas na África lusófona de mais contexto e orientação na cobertura da epidemia.

“A cobertura da SIDA em Angola é muito diminuta, geralmente vinculada a actividades, e nem sempre feita da melhor maneira, por isso um manual desse tipo é salutar”, explica Susana Mendes, editora do jornal Angolense, baseado em Luanda.

Segundo ela, uma das dificuldades é o facto de o HIV ainda ser um assunto tabu.

“O outro obstáculo é o próprio jornalista não entender a epidemia, não saber como lidar com o assunto, como fazer perguntas”, diz.

O Guia para reportagens sobre HIV e SIDA divide-se em duas vertentes: a primeira é um panorama geral da epidemia, com um dicionário sobre os termos, siglas e acrónimos mais usados; a segunda se refere à cobertura apropriada do tema segundo os parâmetros do serviço PlusNews – cuidados a ser tomados pelo jornalista, como abordar os entrevistados, como escrever de forma ética e sem julgamento.

Para Maurício Cysne, coordenador do Programa Conjunto das Nações Unidas para HIV/SIDA em Moçambique, “um guia dessa natureza facilita a abordagem de temas mais sensíveis, como a prática do sexo comercial, homens que fazem sexo com homens e usuários de drogas injectáveis.”

“O manual facilita ao profissional de jornalismo a abordar temas mais sensíveis, que estão no cerne da questão de se controlar, diminuir e atacar o estigma”, afirma.

O guia também aborda questões estilísticas e de linguagem, por exemplo, regionalismos na África lusófona, diferenças em relação ao português falado no Brasil, e dados sobre a unificação da língua portuguesa em curso.

Os últimos capítulos trazem contactos e websites úteis para os jornalistas, e dados de seroprevalência na África lusófona.

''Se o jornalista entende o assunto, ele faz perguntas pertinentes e o entrevistado responde com informações mais profundas. Isso acaba por ajudar na educação dos leitores sobre HIV e SIDA.''
Moçambique (16,2 por cento) é um dos países mais afectados mundialmente. Países que emergem de conflitos como Guiné-Bissau (quatro por cento) e Angola (três por cento) não têm uma epidemia generalizada, mas precisam fortalecer esforços de prevenção e tratamento. Os arquipélagos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe têm baixa seroprevalência, menos de um por cento e 1,5 por cento respectivamente.

Discriminação e estigma ainda são a ordem do dia. Em São Tomé, nenhum seropositivo teve coragem de abrir sua condição em público. Guiné-Bissau e Cabo Verde só aprovaram leis anti-discriminação no ano passado.

Alzira do Rosário, coordenador do Programa Nacional de Luta contra a SIDA em Guiné-Bissau, afirma que o guia chegou em boa hora.

“Este guia será muito importante. Os jornalistas em São Tomé não têm este tipo de ferramenta para melhorar a qualidade da informação e fazer melhor o seu trabalho”, diz.

Mizé Badia, presidente da organização não-governamental Renascer, em Praia, Cabo Verde, acredita que quanto mais capacitados estiverem os jornalistas, melhor a cobertura da epidemia. O Guia para reportagens sobre HIV e SIDA, segundo ela, pode ajudar nesse processo.

“Se o jornalista entende o assunto, ele faz perguntas pertinentes e o entrevistado responde com informações detalhadas e mais profundas”, diz. “Isso acaba por ajudar na educação dos leitores sobre HIV e SIDA.”

Criado em Janeiro de 2006, o PlusNews Português (www.plusnews.org/pt) já se tornou referência na cobertura de HIV e SIDA em Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.

Baseado em Johannesburg, na África do Sul, o PlusNews Português conta com uma rede de correspondentes nas capitais e províncias dos cinco países lusófonos.

O grupo PlusNews, que conta com serviços em inglês e francês, é parte das Redes Regionais Integradas de Informação (IRIN) do Gabinete das Nações Unidas para Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Para receber uma cópia, envie uma solicitação para [email protected]


Tema(s): (IRIN) Média

[FIM]

[Este boletim não reflecte necessariamente as opiniões das Nações Unidas]
Versão impressa
Países
Assinaturas gratuitas
Seu endereço de e-mail:


Envie sua solicitação
 Mais sobre África
06-Fev-2009
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 142, 02 a 06 Fevereiro 2009
30-Jan-2009
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 141, 26 a 30 Janeiro 2009
23-Jan-2009
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 140, 19 a 23 Janeiro 2009
16-Jan-2009
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 139, 12 a 16 Janeiro 2009
28-Nov-2008
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 138, 24 a 28 Novembro 2008
 Mais sobre Média
27-Jan-2009
MOÇAMBIQUE: Sem identificação, mas com HIV
29-Ago-2008
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 125, 18 a 29 Agosto 2008
18-Ago-2008
CABO VERDE: HIV em horário nobre
04-Ago-2008
GLOBAL: AIDS 2008: PlusNews no México
27-Jun-2008
ÁFRICA: IRIN PlusNews Compacto Semanal No. 117, 23 a 27 Junho 2008
Share:
Retroceder | Página inicial

Serviços:  África | Rádio | Filme & TV | Foto | Subscrição
Contacto · E-mail Webmaster · Termos e Condições · Feed de Notícias Feed de Notícias · Acerca do PlusNews · Empregos · Adicionar aos favoritos · Doadores

Direitos Autorais © IRIN 2009. Todos os direitos reservados.
Este material chega até você via IRIN, o serviço de notícias e análises humanitárias do Gabinete para a Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas. As opiniões expressadas aqui não reflectem necessariamente a opinião da ONU ou dos Estados Membros. A republicação está sujeita aos termos e condições determinadas na página do copyright IRIN.